Maio! Mãe! Maria! | Poema do Padre Valdemar Pereira dos Santos

Imagem: Divulgação
Três nomes que se fundem entre si.  Três realidades que podemos traduzi-las por SAUDADE, AMOR E CONFIANÇA. A reflexão que aqui faço vem das lembranças inapagáveis dos meus verdes anos no convívio do lar paterno, na doce companhia dos meus pais e os 14 irmãos.  Bem que tinha razão o poeta ao dizer: “Recordar é viver!” Quando reflito aquela fase da minha vida, salta-me à memória o que deixou escrito o grande Verdi (compositor e poeta italiano) do século XIX : “Va’, pensiero, sull’ali dorate / Va’, ti posa sui clivi, sui colli”. Ou seja: “Vá, pensamento, sobre as asas douradas / Vá, e pouse sobre as encostas e colinas”.

Maio inspira, sob a mediação de Maria, Mãe de Deus e nossa, a suavidade sincera e filial da nossa fé.  É na ternura dessa inspiração que escrevo em rimas e versos essas humildes recordações que transbordam do âmago do ser e já não tenho como represá-las:

                                                    MAIO DA MINHA INFÂNCIA

Saudades, quantas saudades          A minha mãe entoava:                  Recordo tio Zé Batista,
Do santo mês de Maria,              “A nós descei divina luz”              Homem justo e fiel,
Lá no meu sertão saudoso...        E meu pai continuava:                  Que rezava do alpendre
Oh! que grande nostalgia.            “Pelo sinal da santa cruz...”          Com Zé Bezerra e Miguel.
                                                                                                     
Lembro-me, era pequeno,            Para louvar a Maria                      Aqueles momentos fortes
No final de cada dia                      Tud’ era bem caprichado,            Da família em oração,
A gente se preparava,                  Até mesmo no latim                    Para mim foram suportes
Na mais suave alegria.                  A gente era treinado.                  Para a minha vocação!

Colhia flores campestres              Recordo das ladainhas,                Terminado o mês de maio,
Do mofumbo e marmeleiro,        Num “latinorum” cantadas,          Um costume respeitado:
Da bonina tão singela                    Com aquele “ora pro nóbis”,        O monte de flores secas
Cultivada no terreiro.                  Com vozes desafinadas.                No terreiro era queimado.

E sobre a mesa do altar,                Lembro bem da Expedida            Quando a fumaça subia,
Mamãe arrumava as flores            Com seu livrinho na mão,          Tinha gente que chorava...
Naqueles jarros antigos                Usando a saia de chita                Em coro todos diziam:
Bordados em multicores.            E lendo a meditação.                  Mãe do céu, obrigado!

As velas eram acesas,                    Bastiana e Madalena
Em vez do candeeiro.                    Bem afinadas no canto,
Num bonito castiçal                      Lideravam o coral
Comprado em Juazeiro.                Naquele recinto santo!


Pe. Valdemar Pereira dos Santos.sdb

Salvador-BA, 18 / 05 / 2018

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

É ELE

COMPROMISSO DE FILHO

CARPINA – COLÉGIO SALESIANO | Alegria e Entusiasmo na Semana Pedagógica